Vamos lá, estou sedentária. Essa é a verdade.

Passei meeeeeses sem a menor vontade de me movimentar. E não dei muito ao trabalho, porque nada me obrigaria a voltar. Exceto por duas coisas, ser aconselhada por alguém que realmente me deseja o bem ou sentir o desejo de me aventurar. E essa semana aconteceu justamente isso. E muito mais, tive como companheira de corrida uma das pessoas que mais amo nesse mundo, minha filha. Aliás que loucura, ela cresceu tanto que chegou ao ponto de me incentivar a correr, como é isso? Nem eu mesma tenho certeza, mas tentarei explicar.

O treino era simples e confesso, estava apenas recebendo as instruções do treinador e me fazendo de mosca morta. Ele me perguntava como andava a semana e eu culpando a dor no joelho, a vida, o papagaio, o periquito e curtindo o sofá adoidado, por que não? Se tem uma coisa que não aquece o coração é a sofrência, então fui deixando rolar. Até que consegui fazer uma sessão de bicicleta de 45 minutos, com ela parada.

Essa semana veio o retorno para a corrida. A tarefa a ser cumprida eram 10 minutos caminhando, 3 repetições de 2 minutos correndo a 7,5 Km/h e 10 minutos de caminhada. Fiquei bastante animada porque era um treino que poderia partilhar com uma criança, transformando o treino de corrida em brincadeira de criança. Na hora de correr a gente começava um pega pega e pronto, tudo certo. Com uma regra muito importante, a criança poderia parar de correr a qualquer momento, mas nunca a mamãe.

No final de tudo, o runmeter contabilizou 2,80K para um tempo de 35 minutos e treino entregue. Criança de férias dormindo mais cedo, entregue! Nos divertimos, não gastamos dinheiro e conversamos sobre uma música que ela ama e a mamãe também vai dormir melhor, apesar de ainda precisar de tomar remédios para ir para a cama. Muito bom quando a gente faz um bando de coisas em uma só, sem nem pensar muito.

Depois fomos descansar os pezes, porque a gente estava o quê? De parabéns!

Brincadeira de criança.

Brincadeira de criança.

Correr é igual a andar de bicicleta

O movimento é muito simples. Apesar da inércia como tendência, quando você sai da sua rotina, a probabilidade de cair em sedentarismo é grande. Bom, estou colhendo os frutos de alguns meses parada. Os joelhos doem um pouco, talvez por causa dos quase 25 quilos a mais combinados com a artrose. Talvez pelo fato de eu ter dançado muito no final de semana, não se sabe.

O mais engraçado foi notar que correr é igual a andar de bicicleta, a gente aprende e não esquece. Embora eu não seja uma profissional, meu corpo ainda se lembrava de algumas técnicas como respirar para otimizar o consumo de oxigênio e a postura correta para evitar lesões e tornar o movimento mais fluído e conservar energia durante o treino. Porque tudo que a gente quer é terminar o treino, mesmo que num longo período de tempo.

Mais um dia de vida em movimento. Boa semana de treino para nós.