Então, o dia 04 de fevereiro é o Dia mundial contra o câncer. E daí que na blogosfera especializada não param de ser criados textões sobre o assunto, e vamos combinar, é tudo que a gente geralmente não precisa nessa data. É o tipo de coisa que começa com “tenha bons hábitos” (como se isso fosse a garantia de alguma coisa) e termina “cuidado para não transformar suas emoções em câncer” (oi?). Mas chega aqui, você já pensou no que é verdade e no que é mito quando o assunto é a prevenção do câncer?

1. O histórico de doenças na minha família é uma sentença?

É comum que as pessoas imaginem que o câncer de mama é hereditário, mas na verdade isso é um mito. Nas famílias com um histórico sensível o que é transmitido entre as gerações é a predisposição a doença, o que nem sempre significa com 100% de certeza que você desenvolverá a doença. A contrapartida é que nem sempre a prevenção poderá garantir com toda a certeza do mundo que uma pessoa não desenvolverá a doença que resulta da combinação de fatores ambientais e genéticos. Fique atenta aos sinais, mas sem subestimar ou superestimar sintomas.

É perfeitamente normal se sentir insegura mas saiba que a ansiedade não ajuda em nada.

2. Mulheres trans não tem câncer de mama?

As campanhas transfóbicas que falam de câncer de mama e de próstata tem negligenciado uma parcela substancial de pessoas ao deixar de lado informação de que mulheres trans e pessoas não binárias (cuja expecttiva de vida é de apenas 35 anos) também desenvolvem as doenças. Fique atente aos sinais como coceira, alterações de pele e secreções. Faça o autoexame sempre, tendo em mente que ele nem sempre é a única resposta.

Importante dizer que em função da genética, algumas pessoas não podem ser expostas à terapia hormonal, o que pode entrar em conflito com o desejo de transicionar. Se você tem uma maior predisposição a doença, tenha em consideração seu histórico (o que não significa uma sentença). Converse com a equipe médica que te acompanha para saber como proceder e sempre consulte material especializado.

3. Pessoas negras não correm risco de ter câncer de pele?

Infelizmente ainda sobrevive o mito de que pessoas negras não precisam usar filtro solar. Isso tem haver com a ideia de que quanto mais melanina, mais resistente somos não apenas ao sol mas também a dor. Tudo mentira. Use abuse de óculos de sol, chapéus e até bloqueadores solares se for preciso. O bom é que as marcas começam a acordar para essa necessidade.

4. Charutos e cachimbos provocam menos câncer de pulmão que cigarros comuns?

Outro mito que tem colocado muita gente risco é ideia de que charutos e cachimbos não fazem tanto mal assim. Mais uma vez, tudo mentira. Além de fazer mal para quem fuma, também mata quem inala passivamente sua fumaça. Fique de olho também no narguilé e na maconha, que de inocente não tem nada e são tão perigosos quanto o cigarro quando o assunto é o câncer. Se você está pensando em parar de fumar, a hora é agora.

5. Pessoas gordas tem um maior risco de terem câncer?

Muitos estudos tem defendido que pessoas gordas morrem mais por causa do câncer. A grande pergunta é: por que? A resposta quase sempre é a mesma, afirmando que a obesidade é uma ~doença~ que predispõem a muitas outras. Mas e se a patologia fosse outra? Aquela aqui somos submetidos pela vergonha de expor nossos corpos até mesmo para os nossos médicos? E se a doença não estiver nós, mas sim dos médicos que se recusam a tocar os nossos corpos e a nos examinar com cuidado? Ser gordo não é doença! Gordofobia é.

6. Se eu faço o autoexame de mamas todos os meses não preciso fazer mamografia?

Cada pessoa é universo único. Para algumas pessoas as recomendações padrão são mais que suficientes. Mas em casos de histórico familiar sensível, sempre procure um médico. Eu comecei a fazer os meus exames uma vez por ano antes dos 30, fazendo com que o câncer fosse diagnosticado muito precocemente. E se você está com os exames em dia e mesmo assim desconfia que algo errado, insista no dialogo com seu médico. Existem exames que são capazes de detectar a doença ainda no comecinho, como a mamografia digital que é muito mais eficiente que a sua versão analógica.

7. O câncer não tem cura?

A cura “definitiva” do câncer vem sendo perseguida. Na semana passada, foi a vez de Israel prometer um composto milagroso, que será menos doloroso e mais eficaz no combate à doença. Porém, o que nós chamamos de câncer na verdade são conjunto complexo de doenças distintas, cada uma com a suas peculiaridades, muitas delas curáveis. Dizer que o câncer não tem cura é um mito. No caso dos cânceres de mama por exemplo, o diagnóstico precoce pode proporcionar um prognóstico de quase 100% de chances.

8. A tristeza se transforma em câncer?

Quando o assunto é o câncer, todos os mitos em volta da doença costumam ser muito danosos aos pacientes. Mas um especial me irrita: a ideia de que a tristeza se transforma em câncer. Ficar triste ao receber o diagnóstico faz parte, mas não causa doença.Isso é uma mentira que alimenta o preconceito contra os pacientes com transtornos mentais e afetivos, e ainda serve para culpar os pacientes que tem câncer. Sempre vale a pena repetir que os tumores são resultado da exposição a fatores de risco e de uma maior ou menor predisposição genética.

9. Desodorante antiperspirante causa câncer de mama?

Não é fake news. O que acontece é que não existe um consenso sobre o uso de desodorantes. Porém, alguns pesquisadores são enfáticos ao afirmar que “até o presente, não foram apresentados dados capazes de inferir a relação dos sais de alumínio e a incidência de câncer de mama, embora a abordagem sobre a absorção de sais de alumínio deva continuar na mira dos pesquisadores da área.” Então fique atenta e na dúvida, use leite de rosas, Minâncora e até limão para combater o mau cheiro.

10. Prevenir é tudo?

Muita gente se pergunta porque aquela senhorinha centenária conseguiu chegar tão longe contrariando recomendações como beber com moderação, evitar o tabaco e comer pouca carne. Outros se perguntam como aquela pessoa que leva uma vida tão saudável desenvolveu a doença. Mas o que será que acontece?

A resposta é simples: o câncer é a combinação de fatores ambientais com fatores genéticos. A relação entre as causas nem sempre é uma equação perfeita. Tem gente que vai se expor a um ambiente de risco por toda uma vida sem desenvolver a doença, tem gente que vai levar uma vida considerada super saudável e muito cedo poderá encarar o diagnóstico. É por isso que prevenir nem sempre nos garante com 100% de certeza que jamais ficaremos doentes. É preciso respeitar quem desenvolve a doença, sem apontar os dedos para essa pessoa dizendo que ela escolheu seu diagnóstico. O respeito é tudo.

Gostou?

Continue acompanhando a nossa discussão bem aqui!

Imagem destacada: Culsire.