Jejum intermitente significa ficar alguns períodos sem se alimentar, o que na prática é algo que todo mundo faz querendo ou não. Mesmo aquelas pessoas que se alimentam a cada três horas, passam pelo menos algumas horas do seu dia sem comer. Não é dieta, mas sim de um método em que você pensa em que horários vai comer ou não.

Uma pessoa que dorme a quantidade de horas recomendadas para um adulto pode ficar até 8 horas de seu dia em jejum intermitente ou seja, nesse caso vai passar 8 horas sem comer (em jejum intermitente) e vai se alimentar livremente por 16 horas. Não tem segredo. Só muda a quantidade de horas de uma coisa ou outra.

Se você vai passar fome, essa é a questão. A linha que separa o jejum intermitente da fome é muito tênue, sobretudo para quem tem transtorno alimentar. Imagine ficar 24h00 sem comer como manda o método “eat – stop- eat”? Ou ainda a “dieta do guerreiro” que prevê um período de apenas 4h00 por dia de comida em quantidade e teor restritos?

Vamos a exemplos práticos!

Jejum sem passar fome, protocolo “12/12”

Digamos que você dorme 8 horas por dia, ficando em atividade por outras 16 horas. Digamos que toma o café da manhã às 9h00, almoça às 12h00, toma um lanche às 15h00, janta às 18h00 e ceia às 21h00. Ao todo você passará 12 horas se alimentando e 12 horas de jejum intermitente, o que não significa que terá fome nessas horas porque comeu em intervalos regulares e sem qualquer dieta que te faça passar aperto.

Aliás, que fique bem claro – o jejum intermitente não limita o número de calorias ou alimentos que você ingere, apenas estabelece uma rotina entre o comer e não comer. Quando você associa a prática com a restrição de calorias ou alimentos, a coisa toda pode ficar bem complicada. O ideal é que pessoas com histórico de transtorno alimentar jamais façam isso.

Nesse cenário, em que você não faz dieta e segue as recomendações de comer a cada 3 horas, possivelmente não vai passar fome. Isso pode ser uma vantagem para quem precisa se reeducar quando o assunto são os horários em que se come, para evitar por exemplo refluxos gastrointestinais que podem ser provocados pela alimentação que acontece logo em cima da hora de dormir. Sabe aquela azia monstra no meio da noite que é tão grande que chega a te acordar?

Jejum passando fome, protocolo “LeanGains”

O jejum intermitente passando fome não é desejável em nenhum cenário. Vamos tomar como exemplo uma rotina chamada LeanGains, que tem sido muito comum. Você dorme as mesmas 8h00 por dia e passa 16 horas do seu dia sem comer, sendo que a maioria delas acordada, provavelmente passando fome se estiver em dieta restritiva de calorias.

Há quem diga que se adapta sem problemas a esse esquema, o que acho muito improvável no caso de quem faz dieta e é iniciante. Isso poderia facilmente provocar um episódio de transtorno alimentar, sobretudo porque tende a restringir a quantidade de calorias ou te motivar a comer uma quantidade desnecessária e maléfica de proteínas para “enganar a fome”.

A grande dica é – se quiser adotar uma rotina de jejum intermitente a regra de ouro é (a) não passar fome e (b) se alimentar quando e na quantidade que o corpo pedir, lembrando que isso vale para quem não está convivendo com qualquer transtorno alimentar. Esse é o método “when”.

O jejum intermitente pode ser bom, o protocolo “when” and “what”.

Sim, essa é o mais louco nisso tudo, desde que você não esteja numa crise. Explico! Isso quer dizer que você já controlou seu transtorno alimentar e jejua sem passar fome, mas sempre com muitos cuidados como (a) não faz dietas restritivas (b) tem uma rotina bonita de horários para comer e (c) entende que o jejum intermitente não vai ser a “dieta” que vai “resolver” seus problemas.

Seguindo a ideia de se alimentar quando e como o corpo pede, a sua janela de horas se alimentando pode variar conforme o dia. Só não vale fingir que não está passando fome, bebendo água por exemplo. A regra é ouvir o corpo e respeitá-lo sempre, o que nem sempre acontece nessa rotina precisamos ser sinceras. Tudo vai depender de como você enxerga e pratica a coisa.

Caso você esteja pensando em fazer o jejum para emagrecer a grande dica é quanto menos você pensar nele, assim como todo e qualquer método para perder peso, mais certeza será de que está no caminho certo. Afinal o jejum intermitente deve ser algo simples e prático de fazer, caso contrário será um grande gatilho para transtornos alimentares. Nesse caso, interrompa a prática e procure ajuda médica com urgência.

Gostou? Vem entender a relação do jejum intermitente e da compulsão alimentar e não deixe de ler sobre ser mãe e ter transtorno alimentar.

Imagem destacada: Unsplash.