Miga, você quer uma vida mais saudável?

Mas então, como faz? A primeira coisa é decidir o que é vida saudável para você. Aqui o projeto não tem a ver com perda de peso (se bem que ele também é uma necessidade objetiva muito pessoal por motivos funcionais e quem sabe pode ser para você também) mas com a capacidade de realizar o que você deseja e precisa. No meu caso praticar atividades aeróbicas desgastantes <3 entrar em alpha <3 produzir serotonina <3

Acho que é por isso que odeio tanto aquela ditado que diz – esmaga que cresce. Gente. Não é por causa disso não. O papo aqui é sobre a atividade física para quem gosta e/ou precisa, não sobre emagrecimento, dietas. É sobre a coisa em si, acima de tudo é sobre benefícios funcionais. É bem importante porque sério, atividade física é uma coisa que inclusive pode ser prejudicial à saúde. Não vamos dourar a pílula. Então cuidado, com o emocional e o físico, porque se for pra piorar, pra virar nóia, melhor não começar. Sérião.

Superado esse estágio, vamos para a parte dois. A mais fácil. Se bem que, não é todo dia que funciona.

Mas a gente tenta.

1. Acredite – tinha uma dificuldade no meio do caminho

Você vai enfrentar dificuldades, não tem como escapar. Quem sabe superar a falta de acesso à academia, à professores, a alimentos bons e baratos. Isso realmente desanima – porque sair de casa para caminhar se parece que é tão mais fácil/necessário/urgente fazer outra coisa? Porque fazer algum exercício quando e se sobra algum tempo? Para que se dedicar a uma atividade que nem parece funcionar direito? É o que fazer se não existe vontade de viver?

Então a primeira coisa é entender o que você quer, aceitar que é para você também. O primeiro desafio é dentro de você. Não sou fã da ideia universal de que o sedentarismo faz mal para todo mundo. Mas também defendo que a atividade é para todas. E por atividade, falo desde alongar o pescoço durante o expediente até uma ultramaratona. E reconheço sim, isso pode ser muito complicado. Mesmo com anos de prática.

Então vamos para a fase dois, acreditar. Até hoje me bato com essa.

Sempre digo para mim mesma, se você não acredita, pelo menos vamos começar fingindo.

2. Faça o que deve fazer

A gente sempre começa na próxima segunda quando deveria começar na próxima oportunidade. Se você não tem tempo ou possibilidade de fazer exercícios, lembre que existe uma alternativa ao alcance das mãos, na próxima hora. Como disse antes, já experimentou alongar os braços, levantar da cadeira pra aumentar a circulação? Aqui a gente precisa conversar direitinho porque a coisa parece simples mas não é. Nunca é.

Sempre recomendo alongamento como porta de entrada. Parece fácil e é para algumas pessoas, mas não para todas. E mais uma vez, isso não tem a ver com o peso. Pra mim é uma luta semanal. Meu pai, aos 70 anos, consegue ficar de pé enquanto coloca as duas palmas da mãos no chão sem nem aquecer. Morro de inveja. O importante é, qualquer que seja seu projeto… Começar e continuar.

Deu ruim? Tenta de novo. Se você teve mais um dia longe dos seu ideal (e existem muitas formas ideais), não se preocupe e seja feliz, aproveite! A próxima oportunidade para se mexer vai acontecer. Apenas faça o que precisa fazer. Não há motivos para culpa, para tristeza. Nem tudo é bom ou ruim, algumas coisas simplesmente são. Aproveite cada dia para ao menos tentar entender porque não está fazendo o que quer.

3. Uma máscara de oxigênio é a sua prioridade

Ter uma vida saudável é difícil, você provavelmente vai questionar porque está fazendo isso, você já tem tanto para fazer. O mais importante é que de alguma forma você tire um tempo para você. É a parábola da máscara de oxigênio no avião. Você só poderá ajudar quem está ao lado, se estiver consciente. Se estiver em segurança primeiro. E assim, você não tem que salvar ninguém na realidade, mas o ponto está dado.

Seja você a prioridade, pelo menos durante parte do seu dia. Uma das maneiras de fazer isso é praticando atividade física. Se ainda não dá para começar, pelo menos considere a hipótese. Você vai suar. Você vai derreter. O desodorante vai vencer. Vai doer no dia seguinte. Mas você terá alcançado seu objetivo. Isso não vale muito a pena? Existem muitos caminhos para chegar onde você quer. O exercício é apenas um deles.

E não, não precisa ser uma ultramaratona.

Imagem destaque – Move to clouds