Quem não adoraria ter grana para sentir dúvida se compra um Garmin, um Apple Watch ou um Polar? Quemmmmm não? Porém, não está sendo fácil para ninguém e todas vamos usar a criatividade ou técnicas não tão criativas assim para treinar um pouco melhor. A coisa boa é que você não vai ficar a chata das estatísticas!

Mas qual relógio?

Você precisa de um equipamento que possa entrar e sair de ambientes molhadas sem oxidar, cuja pulseira aguente o tranco e que seja bonito o bastante para fazer bonito com suas roupinhas coloridas mas não ofenda seu orçamento. Você encontra diversas opções custando menos de cem reais.

Apesar de simples, alguns deles tem cronômetro com direito a voltas. Isso que dizer que ele vai registrar quanto você gastou para cada “volta” e o total de tempo gasto para a atividade. Supondo que você está na água isso será bastante útil se você está fazendo um treino de velocidade.

Se você não tiver acesso à esse recurso, tem um relógio ainda mais simples que só marca a hora, é possível fazer alguma coisa? Sim, ainda dá para saber quanto tempo gastou para fazer sua atividade e registrando esses tempos, pode prever tempos de prova, registrar sua evolução.

Os tempos de prova são uma previsão de como será uma competição. Se você faz 20 voltas 50m de piscina em 30 minutos, por exemplo, quanto levará para fazer mil metros no mar? Isso te ajuda para medir seu desempenho mas também para saber se tem gás para fazer uma competição, porque elas geralmente tem um tempo limite para serem completadas.

(Não é) matemática avançada

Com um relógio simples você faz cálculos matemáticos avançados ou nem tanto, que podem te ajudar muito. Um deles é saber quanto é seu batimento cardíaco no repouso (BCR). O ideal é que fiquem entre 100 a 40 bpm. Mais que isso e menos que isso é um convite a ir ao médico pois pode ser sinal de insuficiência respiratória ou cardíaca.

Os atletas e praticantes de atividade física ficam em torno de 60 bpm, ficar abaixo disso é muito bom. Mas sempre atenção. Acabo de medir os meus e o resultado foi de 53 bpm. Meça o seu e guarde esse número. Confira se ele uma com o tempo. Basta colocar a mão nos pulsos ou na veia do pescoço e começar a medir.

Outra medida importante é a frequência cardíaca (FC) durante a atividade física. Por exemplo, caminhe por 30 minutos e faça a medida, também com as mãos no pulso ou no pescoço. Com esse número nas mãos começa a matemática aplicada porque você pode comparar o resultado com a frequência cardíaca máxima (FCM).

Para saber qual esse número basta subtrair sua idade de 220. A minha é 220 – 42 = 178. Ou seja, é recomendável não ultrapassar esse limite, lembrando que atividades não é recomendável se sequer chegar perto disso, especialmente para iniciantes e amadores. Para se chegar entre 70% a 90% da FCM leva tempo e adaptação. E o mais importante, uma visitinha ao cardiologista!

Imagem – VideoBlocks